Patrícia Nogueira was awarded a LinnéSys: Systematics Research Fund project financed by The Systematics Association and The Linnean Society of London

Patrícia Nogueira was awarded a LinnéSys: Systematics Research Fund project financed by The Systematics Association and The Linnean Society of London

CIMA's researcher Patrícia Nogueira was awarded a LinnéSys: Systematics Research Fund project financed by The Systematics Association and The Linnean Society of London. The project is entitled "Biodiversity of estuarine phytoplankton – the Guadiana estuary case study". This project intends to continue previous studies done by CIMA's Marine Microbiology Lab in the last two decades that evaluated the effect of the Alqueva dam on phytoplankton dynamics along the estuarine salinity gradient. This estuary has three well defined zones (marine, brackish, freshwater), each with different hydrological characteristics and impacted by distinct natural and anthropogenic pressures, hence covering a wide range of impacts and environmental conditions. The project aims to evaluate the seasonal variability of phytoplankton composition in the three estuarine zones, with special emphasis on harmful and bloom-forming species. Another goal is to study the long-term effects of the dam on phytoplankton biodiversity, given that the disappearance of cyanobacteria blooms in the freshwater estuarine zone has already been reported for the post-dam construction period. The project is financed for 1 year and it will be conducted at CIMA's Marine and Environmental Microbiology Lab.

Projeto LIFE Ilhas Barreira

Projeto LIFE Ilhas Barreira

Decorreu nos dia 24 e 25 de Outubro a primeira reunião do projeto LIFE Ilhas Barreira, na sede do Parque Natural da Ria Formosa. Este projeto, liderado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, e com um orçamento total superior a 2 M€, pretende caracterizar as necessidades ecológicas e as ameaças à conservação de espécies e habitats na Ria Formosa, tendo em vista a implementação de ações de conservação. A atividade da equipa da UAlg/CIMA dedicar-se-á, sobretudo, a estudos e medidas conducentes à conservação das dunas da Ria Formosa, com particular destaque para a Ilha Deserta/Barreta.

Cima Marinha Portuguesa

Cooperação com a Marinha Portuguesa

O Centro de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Algarve (CIMA) iniciou no passado dia 12 de março uma cooperação com a Marinha Portuguesa, no âmbito do projeto INTERREG – OCASO (Observatório Costeiro Ambiental do Sud-Oeste).

Cruzeiro científico do projeto ALSSOMAR a bordo do B/O Sarmiento de Gamboa

Cruzeiro científico do projeto ALSSOMAR a bordo do B/O Sarmiento de Gamboa

A investigadora do CIMA, Isabel Mendes, participou no cruzeiro científico do projeto ALSSOMAR a bordo do B/O Sarmiento de Gamboa, de 29 de Agosto a 19 de Setembro. O projeto ALSSOMAR tem como objetivo fornecer uma visão integrada dos processos de transferência de sedimentos da plataforma para o talude continental numa área de canhões submarinos e suas implicações para a biodiversidade. Durante a campanha, na zona norte do Mar de Alboran, foram obtidas imagens de alta resolução com o ROV Luso, colhidas amostras de sedimentos superficiais, testemunhos verticais, amostras biológicas e dados de geofísica. O cruzeiro coordenado cientificamente pelo Dr. Francisco Lobo (Instituto Andaluz de Ciências da Terra/CSIC Granada) contou ainda com a participação de investigadores da Universidade de Granada, IEO Málaga, Universidade de Málaga, Universidade de Cádis, Universidade de Vigo, Universidade de Barcelona, Universidade de Las Palmas.

CIMA researchers are developing a technology that allows using micro seaweeds to produce biofuels.

A research team from CIMA lead by Sara Raposo is making a new strategy to promote the technological development of micro seaweeds biotechnology on the energy, health, cosmetic and aquaculture sectors within the international network “Algared+”.

JPI oceans

Programa Oceano | FCT

O Programa Oceano da FCT vem dar a conhecer a brochura que inclui os 3 projetos nacionais (HOTMIC, i-PLASTIC e RESPONSE), dos 6 que foram selecionados para financiamento pela Iniciativa de Programação Conjunta "Healthy and Productive Seas and Oceans" (JPI Oceans), no âmbito do 2º Concurso Transnacional Conjunto para financiamento de Projetos de Investigação na área dos Microplásticos, que juntou a FCT a outras agências financiadoras (Alemanha, Bélgica, Brasil, Espanha, Estónia, França, Holanda, Irlanda, Islândia, Malta, Noruega e Suécia.

Brochura disponível aqui.

Informação mais detalhada sobre este concurso (encerrado) poderá ser consultada na pagina da FCT em

https://www.fct.pt/apoios/cooptrans/jpi/oceans/index.phtml.pt

 

Does vegetation reduce the magnitude of dune erosion induced by storms?

Does vegetation reduce the magnitude of dune erosion induced by storms?

Óscar Ferreira, Susana Costas e Juan Hervas ganharam mais um projeto, desta vez aprovado pela ESA – European Spatial Agency.

Este estudo propõe uma abordagem pioneira para avaliar os efeitos benéficos da vegetação na erosão das dunas em condições reais e o papel desempenhado pelas características da vegetação (densidade de cobertura e habitats das dunas). Além disso, fornecerá uma visão empírica aos gestores costeiros ao considerarem a vegetação como uma forma de proteção das dunas. Além disso, vários mapas georreferenciados serão exibidos da cobertura vegetal e serão desenvolvidas comunidades para todo o sistema de dunas da Ria Formosa, capturando os efeitos sazonais.

 

Many low-elevation coastal areas are under the threat of flooding and erosion. Among different approaches to protect coastal communities from these hazards, dune recovery and enhancement is gaining popularity worldwide since these systems function as the first barrier against the impact of storms, while they can adjust naturally to new environmental conditions and do not alter the surrounding ecosystems. Hence, its relevance for coastal protection has led to an extensive research regarding sandy coasts and dune system response to storm events. However, some components of these coastal features, like the vegetation cover, have not been generally included when assessing storm impacts. Previous studies have explored the different mechanisms through which vegetation may contribute to reduce erosion, for example, by reducing surface flow velocities or enhancing sediment cohesion. While these studies demonstrated the beneficial vegetation effects on dune preservation, their experiments (performed under controlled conditions) present certain limitations, and conclusions from those studies cannot be easily transferred to real dune systems. For instance, those studies did not consider the maturity of the dune systems, the spatial plant variability and did not fully reproduce the root system. Also, they don’t provide a clear physical explanation behind the mechanisms through which vegetation reduces dune erosion.

To better understand this phenomenon, we aim to design a methodology that utilizes remote sensing technology to investigate the effect of the vegetation in reducing dune erosion at a regional scale during a real storm event. This methodology will use data from the Earth Observation Third Party Missions and will be applied on a barrier island system at the Ria Formosa (Portugal) hit by the winter storm Emma in 2018. This regional scale approach reduces uncertainties and enhances the robustness of our findings by increasing the amount of available information against previous studies mainly focused on a very limited spatial scale and flow conditions. Consequently, we plan to evaluate the magnitude of erosion and its alongshore variability, in particular, dune retreat caused by the impact of this storm, by mapping the seaward limit of the dune vegetation. The vegetation will be mapped using data collected by WorldView-2, whose high-spatial resolution and multispectral nature will allow us to map different plant communities and to estimate surface plant density. The mapping of the vegetation cover will be carried out by calculating the Normalized Difference Vegetation Index (NDVI) at each pixel, which informs about the greenness of the surface. This method relates the surface reflectance at the red and the near infrared part of the electromagnetic spectrum. By using the NDVI, the mapping of the vegetation along the Ria Formosa barrier islands will be estimated before (last week of February of 2018) and after (second week of March of 2018) the passage of the storm. In situ observations carried out by the investigators of this project revealed that dune retreat was lower than 5 meters, and hence, high-resolution satellite imagery is required instead of lower resolution open resources (Landsat 8 or Sentinel). Additionally, the dynamics and seasonal cycles of the vegetation will be assessed by a monitoring plan carried out using imagery from May of 2017, October of 2017 and February of 2018.

Projeto AEROS Constellation

Projeto AEROS Constellation

No passado dia 19 de Novembro, teve início o lançamento oficial do projeto AEROS Constellation, um dos projetos emblemáticos do MIT Portugal que irá desenvolver uma nova plataforma de nanosatélites como um precursor de uma futura constelação para potenciar as sinergias científicas e económicas Espaço / Oceano.

A reunião do lançamento, feita remotamente, foi organizada pela Edisoft, Coordenadora do Projeto, com as contribuições das instituições participantes: Ceiia; Spinworks; DStelecom; Air Center; IMAR; + Atlântico; Universidade do Algarve, Universidade do Minho; Universidade do Porto; Instituto Superior Técnico e o Massachusetts Institute of Technology (MIT).

No âmbito do projeto o Consórcio irá desenvolver tecnologias e competências portuguesas de monitorização e valorização do oceano, combinando know-how nacional e internacional para a construção da constelação de nanosatélites AEROS gerida a partir de Portugal que pode alavancar o grande potencial do estudo da Terra, seus oceanos e atmosfera em ligação com tecnologias de comunicação avançadas para entregar valor científico e económico tangível para a sociedade.

AEROS é um sistema integrado de ativos e capacidades, incluindo diferentes plataformas existentes, aperfeiçoadas e novas que operam no Oceano e no Espaço, equipadas com sensores e tecnologias de última geração, todos conectados por meio de uma rede de comunicação ligada aos sistemas de aquisição de dados, processamento e disseminação.

Para promover os ecossistemas científicos e empresariais nacionais, e potenciar as ligações entre ambos, o AEROS reúne empresas privadas, Universidades, bem como instituições de investigação e interface. Para acelerar a inovação e o desenvolvimento industrial e a internacionalização que o AEROS pode alcançar, as entidades nacionais têm feito parcerias com investigadores de diferentes áreas dentro do MIT.

A participação da Universidade do Algarve neste projeto é liderada institucionalmente pelo Dr. João Janeiro e pelo Prof. Dr. Flávio Martins, ambos investigadores do Centro de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA). A equipa de investigação irá usar o conceito de Observation System Simulation Experiments (OSSE) para avaliar o benefício e o impacto de uma futura constelação AEROS nos modelos oceânicos, bem como desenvolver as estruturas de gestão de dados necessárias para integrar as observações do AEROS em tempo real no modelo operacional costeiro SOMA.

veículo submarino autónomo

CIMA monitoriza numa semana mais de 100 Km da Costa do Algarve com o seu veículo submarino autónomo

Na última semana, uma equipa do CIMA composta pelos investigadores Flávio Martins, João Janeiro, Maria Mayrinck e Fernando Mendonça, efetuaram um registo excecional de campanhas de monitorização da costa do algarve, a bordo das embarcações NRP Cassiopeia da Marinha Portuguesa e NRP Auriga do Instituto Hidrográfico. Para esse fim utilizaram o Veículo Submarino Autónomo (AUV) que totalizou mais de 100 Km de amostragem de parâmetros oceanográficos, ao longo de toda a costa do algarve. Este registo excecional mostra a eficiência desta metodologia de amostragem com recurso à robótica submarina. O estudo insere-se no projeto de investigação INTERREG-POCTEP OCASO e visa melhorar o conhecimento dos processos oceanográficos da Costa do Algarve, Estes dados permitirão ainda melhorar a capacidade de previsão do modelo oceanográfico SOMA desenvolvido pelo CIMA.

CIMA participates in the EPHEMARE project meeting

CIMA participates in the EPHEMARE project meeting - "Ecotoxicological effects of microplastics on marine ecosystems"realised at the University of Antwerp in Belgium from 19 to 21 February to discuss the results of the project. The EPHEMARE project is a multidisciplinary consortium of 14 institutions from 10 European countries and one of four projects approved by the European JPI Oceans program on the ecological effects of microplastics.
Palynology Short Talks

Palynology Short Talks - Gilda Lopes

Gilda Lopes, a researcher at CIMA, just presented in an international session some of the work she has been developing in the project PALEOCLIMOZ - Permian-Triassic palaeoclimatic cycles of the Karoo Supergroup in Mozambique and its implications on a changing world.
The talk is part of a series of short presentations in palynology organized by colleagues from the USA, China, Amsterdam, and England. Today's session had more than 80 viewers worldwide, and the presenters included also colleagues from the University of Queensland, The Smithsonian Institute, the University of Southampton, the British Geological Survey, and the University of Nagpur. These sessions occur online every month, and the talks will be available online on youtube in a few weeks. Just follow the blog at https://nastrandberg.wixsite.com/palynology.

Campanha de medição oceanográfica ao largo da Costa do Algarve

Campanha de medição oceanográfica ao largo da Costa do Algarve

Os investigadores João Janeiro e Fernando Mendonça do CIMA, Universidade do Algarve, em colaboração com a Marinha Portuguesa, efetuaram na passada quinta-feira 13 de junho uma campanha de medição oceanográfica ao largo da Costa do Algarve. Os trabalhos realizaram-se recorrendo a um veículo autónomo submarino (AUV) que permite patrulhar autonomamente a coluna de água, até uma profundidade de 100m, durante várias horas com um mínimo de intervenção humana. Os trabalhos desenvolveram-se no âmbito do projeto INTERREG-OCASO (Observatório Costeiro Ambiental do Sudoeste), coordenados pelo investigador Flávio Martins, e permitirão ter um conhecimento mais detalhado dos processos oceanográficos que ocorrem na costa Algarvia

AUV

CIMA Starts Exploring the Oceans using an Autonomous Submarine Vehicles (AUV)

Projeto Nautilos

Projeto Nautilos

O CIMA viu aprovado o projeto H2020 Nautilos, que já teve início a 1 de outubro de 2020.
Mais informações aqui.

A Reunião de arranque do projeto europeu H2020 - NAUTILOS realizou-se virtualmente nos dias 21 – 22 de outubro de 2020, com uma forte participação do CIMA.

NAUTILOS – “New Approach to Underwater Technologies for Innovative, Low-cost Ocean observation” é um projeto H2020 financiado sob a iniciativa “Future of Seas and Oceans Flagship” da União Europeia, coordenado pelo Conselho Nacional de Pesquisa da Itália (CNR), reúne 21 instituições de 11 países europeus com competências multidisciplinares que incluem o desenvolvimento e integração de sensores em instrumentos e plataformas de observação do oceano, processamento de dados, modelação oceânica, oceanografia operacional, observação remota, entre outras. O professor Flávio Martins do CIMA coordena o módulo da modelação e partilha de dados e a professora Maria João Bebianno, também do CIMA, coordena a tarefa de Avaliação de Impacte ambiental. NAUTILOS é um dos dois projetos incluídos nos esforços da UE para apoiar a Estratégia Europeia para o Plástico e a Economia Circular, apoiando a demonstração de novas e inovadoras tecnologias para medir as Variáveis Oceânicas Essenciais (EOVs).

Taxonomy study of toxic diatoms and dinoflagellates in a shallow coastal lagoon (Ria Formosa, Portugal)

CIMA's researcher Rita Domingues was awarded a Systematics Research Fund project financed by The Systematics Association and The Linnean Society of London.

Award ceremony of video competition under the AQUASPACE project

 
Award ceremony of video competition under the AQUASPACE project. The ceremony was realised at the Green Auditorium of Building 8, last 30 November 2017, Gambelas Campus, University of Algarve. Have a look at the winning videos: http://www.aquaspace-h2020.eu/?page_id=13201
JPI Oceans - Response

Projeto Response no âmbito do JPI Oceans

O CIMA vê mais um projeto aprovado sobre o impacto dos micro e nanoplásticos no âmbito do JPI Oceans. O projeto Response tem como objetivo propor a validação de estratégias ecológicas para avaliar a distribuição e o transporte de micro e nano plásticos em ecosistemas costeiros Europeus e avaliar os seus efeitos biológicos. Desenvolver metodologias a serem aplicadas para a deteção de nanoplásticos no oceano e seus efeitos em organismos de interesse comercial. Criação de um Smarthub tenológico combinando instalações instrumentais e conhecimentos complementares de empresas externas, para apoiar as necessidades analíticas do consórcio e desenvolvimentos metodológicos. O objetivo do RESPONSE é ainda o de desenvolver um modelo quantitativo sobre o efeito de micro e nanoplásticos em diferentes níveis da cadeia trófica com especial incidência para o efeito que estas nanopartículas podem ter em bivalves de interesse comercial.

Participam neste projeto 14 instituições de 11 países Europeus: Alemanha, Itália, Belgica, Dinamarca, Espanha, Estónia França , irlanda, Noruega, Portugal e Suécia

Welcome to ENLACE website

ENLACE is a research project aiming at developing solutions to help understanding and predicting the adaptation of sandy coasts at long-term coupling marine and aeolian processes.

RiscKit Project

Summary of policies and recommendations resulting from the RiscKit European project entitled "EU Coastal Risk Reduction Strategies"

Projeto H2020 NAUTILUS

O CIMA viu aprovada a candidatura ao projeto H2020 NAUTILUS na área do Crescimento Azul.

EasyCookieInfo

O CIMA é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) através da referência UIDP/00350/2020, com sede no Campus Universitário de Gambelas, Edifício 7,  8005-139 FARO PORTUGAL. Tel: 351 289 244 434, 351 289 800 100; E-mail: cima@ualg.pt (+ info)
Image
Image
Image
Image
O CIMA é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) através da referência UIDP/00350/2020, com sede no Campus Universitário de Gambelas, Edifício 7,  8005-139 FARO PORTUGAL. Tel: 351 289 244 434, 351 289 800 100; E-mail: cima@ualg.pt
Image